Foto: Archivo CLADE

Cúpula da ONU: Evento paralelo discutiu o papel da educação pública para superar a desigualdade social

28 de Setembro de 2019

Por: Samuel Grillo

Madeleine Zúñiga, representante da Campanha Mundial pela Educação no evento, abordou em seu discurso o contexto da privatização educacional no Peru

Globalmente, aprofundam-se as desigualdades e lacunas sociais, relacionadas à concentração de renda e riqueza, bem como as diferenças de gênero. Para analisar esse cenário e o papel da educação como promotora da igualdade e da emancipação, a OXFAM realizou o evento “Educação como o grande equalizador” em Nova Iorque.

A reunião ocorreu em 24 de setembro, paralelamente à Cúpula sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), realizada nos dias 24 e 25 de setembro nas Nações Unidas.

Nesse debate, apontou-se que a educação tem potencial para transformar as sociedades e contribuir para a superação das desigualdades, mas é necessário que os governos invistam recursos adequados e ajam para garantir o direito à educação gratuita e acessível , público, inclusivo e de boa qualidade.

Madeleine Zúñiga, coordenadora da Campanha Peruana pelo Direito à Educação e vice-presidenta da Campanha Mundial pela Educação (CME), participou da mesa de diálogo do evento, com o tema “Privatização da educação: um fator de desigualdade” .

Em sua participação, ela abordou os obstáculos à realização do direito humano à educação no Peru, relacionados à privatização e ao lucro na educação. Além disso, disse que a privatização, anteriormente mais presente nas escolas primárias, também está avançando cada vez mais no ensino universitário no país. “Estamos preocupados com escolas e universidades de baixo custo, regularizadas nos anos 90, durante o governo de Alberto Fujimori. No Peru, hoje você recebe a qualidade educacional pela qual pode pagar”, afirmou.

Zúñiga acrescentou que o Estado peruano realiza avaliações censitárias de estudantes da Educação Básica Regular (EBR) todos os anos e, nos últimos anos, melhores resultados foram obtidos nas escolas públicas do que nas escolas particulares de baixo custo, uma das melhores estratégias para combater a privatização sem regulamentação ao nível do EBR.

“Assim, verificou-se que as escolas públicas, apesar do baixo financiamento que recebem, podem ter uma qualidade muito melhor do que as escolas particulares. No nível universitário, isso é ainda mais forte, e agora existe um sistema de avaliação das faculdades públicas e privadas do país, pelo qual aqueles que não são aprovados nos exames serão encerrados definitivamente”, afirmou.

O poder da educação na luta contra a desigualdade

Nesse evento, a OXFAM lançou o documento “O poder da educação na luta contra a desigualdade”. Este relatório demonstra o potencial incomparável da educação pública em responder à crescente desigualdade, promovendo a equidade.

No documento, afirma-se que, para cumprir seu papel de promover a igualdade, a educação deve ser eqüitativa, de qualidade, gratuita, universal e devidamente financiada, estando sob a supervisão e responsabilidade do Estado. Além disso, o relatório indica que são necessários professores valorizados com condições de trabalho adequadas, bem como sistemas tributários justos, que garantam recursos financeiros para o direito à educação.

• O documento completo está disponível aqui (em inglês).