Camilla Croso: “Precisamos de avaliações formativas que reconheçam a diversidade e os diferentes contextos”

23 de Setembro de 2019

Por: Thais Iervolino

A coordenadora geral da CLADE participou de um debate sobre currículos inclusivos e avaliação educacional, no contexto do Fórum Internacional da UNESCO sobre Inclusão e Equidade na Educação

“É preocupante o fato de prevalecerem sistemas de avaliação de resultados de aprendizagem, internacionais ou nacionais, que não reconheçam os contextos, a diversidade de idiomas, culturas e singularidades de diferentes localidades e territórios”, disse Camilla Croso, coordenadora geral da Campanha da América Latina pelo Direito à Educação (CLADE) durante sua participação na mesa de diálogo “Currículos e avaliação inclusivos para acompanhar estudantes em sua diversidade”.

O debate ocorreu no segundo dia do “Fórum Internacional sobre Inclusão e Equidade na Educação”, realizado pela UNESCO – em parceria com o Ministério da Educação da Colômbia e a Prefeitura de Cali – de 11 a 13 de setembro.

Também participam da mesa: María Figueroa, Diretora do Instituto de Avaliação Educacional da Colômbia (ICFES); Seamus Hegarty, ex-presidente da Associação Internacional para a Avaliação do Desempenho Educacional (AIE); Hugo Labate, diretor da Coordenação Nacional do Ministério da Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia da Argentina; e Georgine Obura, diretora do Estudio de Línguas de Sinais no Quênia.

No diálogo, estratégias foram analisadas e discutidas para garantir o desenvolvimento e a aplicação de currículos e materiais de ensino inclusivos e interculturais que respondam a diversas situações e necessidades ao longo do ciclo educacional. Além disso, foi revisada a maneira pela qual métodos de avaliação para apoiar e acompanhar alunos de diferentes contextos, com diferentes culturas, idiomas, habilidades e necessidades educacionais.

“Quando os sistemas de avaliação padronizados são projetados e colocados como o centro das políticas educacionais, todo o coração dos sistemas educacionais é condicionado pelos testes: currículos, processos pedagógicos, relações entre estudantes e docentes, relações dentro das escolas e entre as escolas”

Em seu discurso, a coordenadora geral da CLADE enfatizou que, embora a Agenda da Educação para 2030 esteja ancorada na perspectiva dos direitos humanos, seu conteúdo foi resultado de forte pressão da sociedade civil durante os debates e negociações sobre a Agenda, quando alguns atores defendiam fortemente um foco quase exclusivo em resultados mensuráveis de aprendizagem e sua verificação a partir da aplicação de testes padronizados. “Embora no texto dos ODS [Objetivos de Desenvolvimento Sustentável] e na Agenda 2030 pudéssemos avançar para uma perspectiva da educação como um direito humano, ele ainda persiste, especialmente no que diz respeito aos indicadores do ODS 4 [Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4, referente à educação], uma alta prioridade nos resultados de aprendizagem de uma abordagem padronizada”, afirmou.

Em seu ponto de vista, “quando os sistemas de avaliação padronizados são projetados e colocados como o centro das políticas educacionais, todo o coração dos sistemas educacionais é condicionado pelos testes: currículos, processos pedagógicos, relações entre estudantes e docentes, relações dentro das escolas e entre as escolas”.

Camilla Croso acrescentou que as práticas promovidas como resultado dos processos de avaliação padronizados frequentemente condicionam o financiamento das escolas a resultados desses testes e, assim, aprofundam as lacunas sociais, promovendo a competição, afetando os salários docentes e a saúde psicológica das e dos estudantes, resultando também em reducionismo curricular e empobrecimento da experiência educacional.

Segundo a coordenadora geral da CLADE, é necessário superar esse modelo homogeneizador de educação e propor novas propostas de avaliação e educação que avaliem a diferença e diversidade de contextos, realidades, trajetórias e condições das e dos estudantes, envolvendo o grupo de assuntos da comunidade educacional no projeto de seu significado e conteúdo.

Encontro paralelo

No mesmo dia, Camilla Croso moderou os diálogos do evento paralelamente ao Fórum da UNESCO, intitulado “Inclusão e educação na América Latina e no Caribe: questões e desafios críticos”. A reunião foi organizada pelo Relatório de Monitoramento da Educação Mundial da UNESCO (GEM).

Na ocasião, foram apresentados dados e tendências apresentados na formulação de uma edição regional especial do Relatório, que será lançado no próximo ano: o GEM 2020 sobre o Direito à Educação e Inclusão na América Latina e no Caribe.

Carlos Vargas, do OREALC/UNESCO: “O que este relatório vai revelar tem a ver com quais são as barreiras à inclusão, que são múltiplas e se cruzam. Isso aliviará as barreiras e quais são as causas de vulnerabilidade de diferentes grupos populacionais, como os da pobreza, indígenas, afrodescendentes, mulheres, diversidade sexual e pessoas privadas de liberdade, etc..”

Foram abordados tópicos como a situação de atendimento às pessoas excluídas da educação, por gênero, deslocamento, migração, etnia, idioma, pobreza, deficiência ou outras características. O Relatório analisará leis, políticas e práticas educacionais, observando diferentes causas que impedem a inclusão total de todos na e da educação, incluindo causas estruturais de discriminação e desigualdade.

  • Baixe aqui o documento com as conclusões preliminares do relatório, apresentado durante a reunião.
  • Ouça uma entrevista com Carlos Vargas, do Escritório Regional de Educação da UNESCO para a América Latina e o Caribe (OREALC/UNESCO), que comentou as atuais lacunas sociais e os desafios da inclusão na educação na região, bem como as expectativas sobre o relatório regional GEM 2020: