Foto: U

Futuros da educação: UNESCO lança iniciativa para repensar modelos educacionais

6 de Outubro de 2019

Por: Fabíola Munhoz

Em 25 de setembro, no âmbito da Cúpula dos ODS, a UNESCO lançou o projeto Os Futuros da Educação. A iniciativa visa repensar o futuro da educação, conhecimento e aprendizado, em um mundo de crescente complexidade, incerteza e precariedade.

Em um documento apresentado pela UNESCO sobre o projeto, são destacadas hoje as razões pelas quais uma revisão profunda do futuro da educação e como a UNESCO pretende liderar esse processo de reflexão, destaca a construção de debates e propostas.

“Desigualdades, violência e exclusão estão levando muitas sociedades a um ponto de crise. A fragilidade do nosso planeta se torna cada vez mais aparente. Infelizmente, algumas dessas variadas formas de insegurança são exploradas, o que prejudica a coesão social e enfraquece a confiança nas instituições em todo o mundo. Com contextos em rápida mudança e múltiplos futuros possíveis, precisamos reexaminar e reimaginar como a educação pode contribuir para o bem comum global”, afirma a UNESCO.

Também aponta que os desafios que o mundo enfrenta atualmente exigem uma transformação radical dos conceitos e perspectivas de estar bem, de desenvolvimento e de compartilhar a vida no planeta. Assim mesmo, destaca que o conhecimento, a aprendizagem e a educação estão no centro dessa transformação e que o crescimento da inteligência artificial, a grande quantidade de dados e informações e aprendizado de máquina, além de mudanças aceleradas nas tecnologias, as preocupações com o futuro estão aumentando, especialmente devido à distribuição desigual dos avanços proporcionados pela inovação e pela tecnologia.

O projeto “Os Futuros da Educação” é apresentado como algo ambicioso, que visa mobilizar várias formas de ser e conhecer em todo o mundo, para refletir e gerar diálogos sobre como a educação deve ser repensada para enfrentar os desafios mencionados. Nesse marco, serão promovidos debates sobre: educação e sustentabilidade; o futuro do conhecimento e da aprendizagem; ensino e os desafios da profissão; o futuro do trabalho e as novas habilidades e competências necessárias; cidadania, inclusão social e democracia; ensino superior, pesquisa e inovação; sistemas de educação pública e o papel dos estados em sua garantia e financiamento.

Vernor Muñoz, diretor de Políticas e Advocacia para a Campanha Global pela Educação e ex-relator especial sobre o Direito à Educação das Nações Unidas, participou da sessão de lançamento de “Os Futuros da Educação”.

Para ele, é importante que este projeto esteja em sintonia com a Agenda de Desenvolvimento para 2030 e suas preocupações e propósitos em relação ao enfrentamento das mudanças climáticas, ao cuidado com o meio ambiente e em termos de alcançar justiça e igualdade. “É uma iniciativa muito importante, do ponto de vista substantivo de todos esses conteúdos, e também para abordar a educação a partir de uma reflexão das políticas públicas. Esperamos que se possa relatar mudanças no conteúdo da educação, que devem ser alcançadas para que as necessidades da época possam ser atendidas ”, afirmou Muñoz.

Comissão

Para realizar esse diálogo, uma comissão internacional independente foi formada na sessão de lançamento da iniciativa, composta por personalidades do campo educacional em todo o mundo, que terão a missão de liderar o pensamento, a reflexão e o debate sobre o futuro da educação, conhecimento e aprendizado, em um mundo completo e em mudança.

Essa comissão será dedicada à elaboração de um documento de análise e recomendações para o futuro da educação, que será lançado em 2021. A ideia é que este relatório seja usado como uma agenda de debate político e ação para transformação sistemas educacionais, de diferentes níveis, e nos vários países do mundo.

Os membros da comissão são reconhecidos como líderes de pensamento, com propriedade em várias áreas do conhecimento e diferentes perspectivas. O grupo terá o apoio da inteligência coletiva e das capacidades do observatório global da UNESCO, bem como um amplo processo de consulta, por meio de reuniões presenciais e ferramentas virtuais, que envolverão autoridades, governos, sociedade civil, juventude, educadores e educadores e outras partes interessadas.

“A comissão e seu relatório podem revitalizar o papel da UNESCO e dar-lhe novo ar, alimentar seus projetos, planos e programas e oferecer um guia aos Estados Membros que permitirá redirecionar e ajustar melhor os planos, estratégias e políticas educacionais para que estão mais sintonizados com a Agenda de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda de Educação para 2030”, afirmou Vernor Muñoz.

Para saber mais e conhecer as e os integrantes da comissão, acesse a página da iniciativa.

Histórico

A perspectiva humanística da UNESCO baseia-se nos princípios de respeito à vida, dignidade e diversidade humanos como centro dos direitos humanos e preocupações éticas com relação à ciência e à inovação tecnológica. O relatório “Futuros da Educação”, que será preparado pela comissão internacional da iniciativa, será baseado na abordagem humanística da UNESCO e nas contribuições de seus relatórios globais anteriores: “Repensar a Educação” (2015); “A educação contém um tesouro” (1996); e “Aprendendo a Ser: a educação do futuro” (1972). Esses relatórios colocaram a UNESCO como líder no debate global sobre o futuro da educação e aprendizagem.

Vernor Muñoz lembra que o documento “A educação contém um tesouro” resultou do trabalho de uma comissão internacional liderada pela UNESCO na década de 1990, que estabeleceu quatro pilares e dimensões que a educação deveria ter: aprender a ser, aprender a saber, aprender a fazer e aprender a viver juntos.

“O projeto ‘Os futuros da educação’ tem uma intencionalidade semelhante à que foi buscada nos anos 90. De alguma forma, pretende atualizar uma posição das políticas públicas, uma posição política sobre o conteúdo da educação e os processos de aprendizado e construção de conhecimento”, disse Muñoz.

Sessão de lançamento

A iniciativa foi lançada em uma reunião paralela à última Assembleia Geral da ONU, onde foi realizada a Cúpula dos Estados Membros sobre os ODS.

O evento, organizado pela UNESCO em parceria com o governo de Portugal, foi uma oportunidade para as Chefas e Chefes de Estado e governos compartilharem suas perspectivas sobre educação e aprendizado, à luz das mudanças climáticas, desenvolvimento tecnológico e as transformações no mundo do trabalho. Os resultados desse debate serão tomados como ponto de partida para o trabalho da comissão internacional do projeto.

Participantes no evento paralelo: António Guterres, Secretário Geral das Nações Unidas (por vídeo); Audrey Azoulay, Diretora Geral da UNESCO; Sahle-Work Zewde, presidente da Etiópia e presidente da Comissão Internacional sobre o Futuro da Educação; e Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal.

Assista à gravação do debate abaixo