Foto: Marcia Kentalis

Peru: Mais de 100 organizações da sociedade civil se mobilizam para defender a perspectiva de gênero na educação

8 de Maio de 2019

Diante de novos ataques de grupos conservadores contra a inclusão de uma perspectiva de gênero no currículo nacional da educação básica, a sociedade civil peruana se manifesta a favor da nova política educacional

Recentemente, a sociedade civil do Peru alcançou conquistas importantes em relação à igualdade de gênero, com a aprovação da Política Nacional sobre Igualdade de Gênero e a decisão do Supremo Tribunal do país a favor da  abordagem de gênero no Currículo Nacional de Educação Básica. No entanto, as forças ultraconservadoras no Peru continuam a rejeitar qualquer política nacional ou internacional que promova a igualdade de gênero, especialmente na políticas educacionais.

Na quinta-feira, 9 de maio, a recém-nomeada Ministra da Educação, Flor Pablo Medina, será abordada no Congresso Nacional para responder a 29 perguntas sobre o tratamento de gênero e do conflito armado nos livros escolares. Em resposta e em apoio à política educacional, foi criado o Movimento Cidadão pela Igualdade de Gênero, reunindo 128 organizações da sociedade civil no país, incluindo a Campanha Peruana pelo Direito à Educação e vários de seus membros.


Leia+ Peru: Política de Igualdade de Gênero é aprovada, e a Suprema Corte decide a favor de currículo escolar com perspectiva de gênero


 

“A perspectiva de igualdade de gênero não é uma ideologia perversa, como alguns grupos erroneamente apontam, é uma ferramenta que permite a visibilidade de relacionamentos doentios, visa eliminar desigualdades de direitos entre homens e mulheres, promover uma cultura de equidade e lidar com diferentes tipos de violência e discriminação que vivemos no país”, afirma o pronunciamento do Movimento Cidadão pela Igualdade de Gênero, divulgado hoje.

O grupo, que inclui mães, pais, estudantes, docentes e ativistas, afirma que permanecerá vigilante e mobilizado para salvaguardar o bem-estar e os direitos comuns de todas as pessoas no Peru.


Leia+ Liliam Hidalgo Collazos: “A política nacional de igualdade de gênero e a incorporação da abordagem de gênero no currículo geram sinergias para superar discriminação contra meninas e mulheres”


 

“O Estado tem a obrigação de formular políticas públicas que respondam aos problemas enfrentados por nosso país, o que inclui números alarmantes sobre violência sexual, discriminação de gênero e gravidez na adolescência, aumentando a urgência de responder a essas questões”, afirmam as organizações.

O movimento também promove uma petição para pressionar o Congresso Nacional a apoiar a perspectiva de gênero na educação.

Na véspera da interpelação do Ministro da Educação, haverá também uma vigília em frente ao Congresso Nacional.