Fórum da UNESCO: Trajetórias educacionais para inclusão e equidade foram discutidas

23 de Setembro de 2019

Por: Fabíola Munhoz

No debate, destacou-se a importância do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 4, referente à educação, como uma estrutura que estabelece o direito à educação ao longo da vida e da primeira infância a universidades, incluindo a educação de pessoas jovens e adultas.

Na manhã de 12 de setembro, no âmbito do Fórum Internacional sobre Inclusão e Equidade na Educação da UNESCO (11 a 13 de setembro em Cali, Colômbia), a CLADE participou da sessão temática de diálogos “Fortalecendo trajetórias educacionais para inclusão e equidade”.

A coordenadora geral da CLADE, Camilla Croso, moderou o diálogo, no qual participaram Paz Portales, especialista no programa da Seção de Ensino Superior da UNESCO; Francisco Javier Gil, diretor da Cátedra UNESCO de Inclusão no Ensino Superior – Universidade de Santiago do Chile; Derek Nord, diretor do Instituto de Deficiência e Comunidade de Indiana (Universidade de Indiana, EUA); e Rosye Cloud, vice-presidenta executiva da College Promise Organization.

No debate, destacou-se a importância do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 4, referente à educação, como uma estrutura que estabelece o direito à educação ao longo da vida e da primeira infância a universidades, incluindo a educação de pessoas jovens e adultas.

Observou-se também a importância de garantir progressivamente o fortalecimento dos sistemas educacionais públicos e gratuitos que abranjam todas as etapas e modalidades educacionais, incluindo todas as pessoas. Além disso, foram abordados os fatores que garantem a educação ao longo da vida para grupos discriminados e vulneráveis, inclusive em termos de acesso a universidades e treinamento técnico profissional.

Em seu discurso, Paz Portales destacou que as múltiplas formas de discriminação devem ser superadas e a inclusão deve ser considerada a partir da integralidade e coerência das políticas públicas. “O conjunto de políticas do Estado deve garantir a inclusão, além dos sistemas educacionais”, afirmou.

Acrescentou também que o Estado deve agir para que o direito humano à educação atenda aos 4 As estabelecidos pelos marcos internacionais de direitos humanos (acessibilidade, adaptabilidade, acessibilidade e aceitabilidade) e que as políticas estruturais sejam promovidas em todas as áreas, para garantir os direitos humanos nos diferentes níveis educacionais.

Por sua vez, Francisco Javier Gil apontou como uma barreira à transição de pessoas com menos renda do ensino fundamental para o ensino superior, o estigma que não lhes pertence ou que não poderiam ingressar na universidade. “A trajetória educacional deve ser pensada continuada, e é importante combater decisivamente a estigmatização, como um princípio ético político”, afirmou.

Segundo Derek Nord, todas as pessoas devem participar em pé de igualdade nos sistemas educacionais, bem como nos processos de treinamento técnico e vocacional, no local de trabalho e na vida econômica, política, social e cultural das sociedades. “Precisamos ter grandes expectativas de todos os estudante, incluindo pessoas com deficiência, garantindo uma educação contextualizada, que dialogue com a realidade e as necessidades de seu ambiente”.

Ele acrescentou que superar todas as formas de discriminação é um imperativo indispensável nos sistemas educacionais. “É necessário que as universidades e faculdades sejam tão diversas quanto as comunidades em que estão inseridas.”

Finalmente, Rosye Cloud enfatizou que é necessário que a sociedade civil organizada lute e se mobilize para a educação gratuita no ensino superior, como um fator central que possibilita especificamente sistemas educacionais inclusivos. “A universidade livre deve ser objeto de um movimento político. Devemos colocar as pessoas no centro e acreditar no poder de nossas comunidades. ”