A educação que necessitamos para o mundo que queremos

Este especial apresenta vozes, expectativas, desafios e opiniões de adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe sobre o direito à educação.

Vozes, expectativas e opiniões de adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe

Com o objetivo de escutar e reunir propostas e desafios de adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe sobre o direito à educação, dando-lhes visibilidade, a CLADE promoveu, com o apoio do Escritório Regional do UNICEF para a América Latina e o Caribe, a campanha #AEducaçãoQueNecessitamos para o mundo que queremos

Desenvolvida no segundo semestre de 2019, no contexto do aniversário de 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança da ONU, a iniciativa procurou incentivar adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe a compartilharem suas vozes, expectativas e opiniões sobre o direito à educação. Além disso, a campanha incluiu estratégias de comunicação e incidência, para que essas perspectivas fossem consideradas em instâncias de tomada de decisão sobre as políticas educativas.

Adolescentes e jovens de toda a América Latina e o Caribe foram convidadas/os a expressar e divulgar suas perspectivas sobre #AEducaçãoQueNecessitamos, por meio de vídeos, fotos, textos, poemas, desenhos, e outras formas de expressão, por meio das redes sociais ou em comunicação direta com a CLADE.

O direito à participação e ao protagonismo, uma educação para o pensamento crítico e a transformação social, e o direito a uma educação pública, laica, gratuita, integral, feminista, emancipadora, democrática, inclusiva e sem preconceitos, são algumas das mensagens que aparecem nos depoimentos que foram enviados à campanha por adolescentes e jovens de diferentes países da região. 

>> Leia mais: Adolescentes e jovens compartilham suas perspectivas sobre a educação para um mundo melhor


Resultado da campanha

Fotos: Archivo CLADE

No âmbito da iniciativa, foram recebidos 65 vídeos e áudios, com depoimentos de adolescentes e jovens de Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Honduras, México, Nicarágua, Peru e Panamá.

Além disso, foram enviados à iniciativa: um texto da Colômbia; nove desenhos de México, Colômbia e Argentina; e 12 fotografias de círculos de diálogos e marchas realizadas com a participação de adolescentes e jovens em El Salvador e México.

A seguir, reunimos e apresentamos as demandas e perspectivas de adolescentes e jovens que se juntaram a esta campanha.


>> Veja a playlist com todos os vídeos enviados pelos jovens da América Latina e do Caribe

O que adolescentes e jovens querem? Protagonismo e participação

Thais Camargo, Brasil

Efraín Ordoñez, Honduras

Yann Liao, Panamá

Jazmín Elena: "Precisamos aprofundar os espaços de participação estudantil"

No âmbito da campanha, conversamos com Jazmín Elena, estudante universitária salvadorenha, integrante da Rede de Comunidades Educativas pela Paz e membro da Rede Salvadorenha pelo Direito à Educação (RESALDE).

Jazmín Elena denuncia a criminalização de estudantes, assim como sua estigmatização pelo fato de serem jovens ou por seu lugar de origem, razões que em seu olhar impedem uma maior participação e mobilização estudantil. Lembra também que, em El Salvador, o investimento de 6% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação ainda é uma demanda pendente.

Ouça a entrevista a seguir (disponível em espanhol):

O que adolescentes e jovens querem? Uma educação para o pensamento crítico

Juan Pablo Escallón, Colômbia

Marily Figueroa, Panamá

Victoria Meller, Colômbia

Alejandro Restrepo, Colômbia
Gareth Sella, Colômbia

Jovens e adolescentes: luta política por uma educação inclusiva

Jhonatan Hernández, de Lima (Peru):

"Não temos uma educação inclusiva. Não temos uma educação que reconheça a diferença. Não temos uma educação que respeite as pessoas com deficiência. Não temos uma educação que reconheça as comunidades andinas, amazônicas e afro-peruanas".

A fala completa do estudante pode ser ouvida a seguir em espanhol, e a transcrição pode ser lida em português, nos links logo abaixo dos áudios.

Parte 1
>> Transcrição do áudio

Parte 2
>> Transcrição do áudio


Parte 3

>> transcrição do áudio

Brian López, de Carmen de Legua Reynoso, Callao - Lima (Peru)

"Devemos trabalhar em conjunto para mudar a perspectiva da política em nosso país. Sensibilizar a população jovem, já que somos nós que escolheremos as nossas próximas autoridades, vendo qual é o trabalho que realizarão para nossa qualidade de vida".

A fala completa do estudante pode ser ouvida a seguir em espanhol, e a transcrição pode ser lida em português, nos links logo abaixo dos áudios.

Parte 1
>> Transcrição do áudio

Parte 2>>Transcrição do áudio


Jackeline Fuchs, Callao - Lima (Peru)

“O que espero é que os próximos representantes eleitos possam trabalhar e se comprometer para fazer uma mudança em nosso país."

A fala completa da estudante pode ser ouvida a seguir em espanhol, e a transcrição pode ser lida em português, no link logo abaixo do áudio.

>> Transcrição do áudio

 

As vozes de adolescentes e jovens na mídia

Brayan, da Colômbia, durante entrevista. Foto: Arquivo pessoal.

A campanha conseguiu se destacar de maneira significativa na imprensa. Foram 15 publicações ou menções em meios de comunicação de diferentes países da região, que deram visibilidade às perspectivas de adolescentes e jovens que participaram da iniciativa, no âmbito das coberturas jornalísticas relativas ao aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC).

Brasil

Le Monde Diplomatique (Brasil)Patria Latina e Geledés publicaram um artigo elaborado por Fabíola Munhoz, da CLADE, em parceria com a estudante Jazmin Elena (El Salvador) e o estudante Victor Harambour (Chile).

A TV Futura (Brasil) realizou um programa especial sobre a Convenção sobre os Direitos da Criança, durante o qual foi divulgado um vídeo sobre a iniciativa.

O site Contratempo (Brasil) divulgou uma notícia que destaca a perspectiva de adolescente brasileiro, no contexto dos debates sobre o aniversário da CDC.

Peru

O site Deslengua2 (Peru) publicou uma entrevista sobre a iniciativa e as perspectivas de adolescentes e jovens da região nesse contexto. Além disso, uma notícia da Mesa de Concertación para la Lucha contra la Pobreza do país destacou perspectivas de estudantes que participaram da iniciativa.

Colômbia

A Rádio Universidade de Nariño e a Emissora Ecos de Pasto, ambas da Colômbia, divulgaram entrevistas com Fabíola Munhoz, da CLADE, e o estudante de ensino médio Brayan Imanol Narváez, que enviou este artigo para nossa campanha. Por sua vez, o jornal Sabana Norte e a Agência Pressenza na Colômbia publicaram entrevista com a estudante Laura Victoria.

México

A Rádio UdeG (México) divulgou programa especial sobre a CDN e a iniciativa. Todas as emissoras que integram o Sistema Universitário de Rádio e TV Universitárias da UdeG divulgaram a iniciativa e o aniversário da Convenção, em suas programações: Rádio UdeG Ameca, Lagos de Moreno, Ciudad Guzmán, Autlán, Puerto Vallarta, Guadalajara e Ocotlán. O jornal “Partidero” divulgou também um artigo sobre o aniversário da Convenção, de autoria da ativista feminista e defensora do direito à educação e de outros direitos humanos, Guadalupe Ramos Ponce.

El Salvador

A estudante de El Salvador Jazmín Elena compartilhou suas perspectivas sobre o direito à educação, durante entrevista ao programa televisivo do canal Órbita.

O que adolescentes e jovens querem? Uma educação integral, abrangente, para a paz e os desafios futuros

Estudantes de Michoacán, México

Escola Preparatória Melchor Ocampo

Sofía, Colômbia

Elizabeth Chauca, Bolívia

Santiago Pinto, Colômbia

Nicole Akist, Panamá

Rubén Mayta, Bolívia

Johnny Jiménez, Panamá

Dia Internacional da Juventude: o papel das e dos jovens na transformação da educação

Em 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o dia 12 de Agosto como Dia Internacional da Juventude, uma celebração anual que visa a promover o papel das e dos jovens nos processos de mudança, e sensibilizar sobre os desafios que as juventudes enfrentam. Em 2019, a ONU celebrou a data com o lema "Transformando a Educação". Esse mote foi escolhido para destacar os esforços de jovens para alcançar uma educação mais inclusiva e acessível.

Conheça a seguir algumas das ações que os fóruns nacionais membros da CLADE têm realizado para pressionar pela garantia dos direitos à educação e à participação de jovens em seus países.

>> Jovens da América Latina e do Caribe transformando a educação

Foto: Arquivo CLADE

 

O que adolescentes e jovens querem? Uma educação libertadora

Christian Izaguirre, Honduras

Anthony González, Panamá

Jazmin Elena, El Salvador

Jovens e adolescentes pela inclusão

Julian Kerboghossian, um estudante libanês, conversou com ALER e CLADE sobre como é a vida das/os jovens em seu país e por que é importante lutar pela inclusão de pessoas com HIV.


>> Leia mais no especial “Fórum Internacional sobre Inclusão e Equidade na Educação”

O que adolescentes e jovens querem? Uma educação igualitária e sem discriminações

Sara Navarro, El Salvador

María José Gómez, Colômbia

Brian López, Peru

O que pensam estudantes da América Latina e do Caribe sobre a educação e outros direitos humanos?

Superação da discriminação e da violência, direito à brincar, à arte e ao lazer, a igualdade de gênero e o direito à educação sexual integral e à participação no debate sobre as políticas públicas que os afetam. Essas foram algumas das demandas compartilhadas por meninos, meninas, adolescentes e jovens da região, durante o XXII Congresso Pan-Americano de Crianças e Adolescentes.

A CLADE participou do Congresso e também do Fórum de Sociedade Civil realizado previamente ao evento. Nessa oportunidade, a Campanha lançou publicamente a iniciativa #AEducaçãoQueNecessitamos para o Mundo que Queremos.

Em paralelo ao Congresso, foi realizado o III Fórum Pan-Americano de Crianças e Adolescentes, que reuniu delegadas e delegados entre 12 e 18 anos de idade, de 14 países da região: Barbados, Brasil, Canadá, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai -, para discutir os temas centrais do encontro de autoridades, e compartilhar com os governos suas demandas nessas linhas temáticas. As questões enfatizadas foram: a violência contra crianças e adolescentes, o direito à participação de crianças e adolescentes e a garantia de sistemas integrais de proteção dos direitos da infância e da adolescência.

>> Conheça os pontos de vista de crianças, adolescentes e jovens de diferentes países da região que foram compartilhados durante os dois encontros

O que adolescentes e jovens querem? Uma educação emancipadora, democrática e inclusiva

Leonardo Suárez, Colômbia

Normalistas de Morelia, México

Escola Normal Para Educadoras "Prof. Serafín Contreras Manzo"

Gabriel Villarpando, Bolívia

Alexander Reyes, Nicarágua

Aldair Martínez, Panamá

Andrea Polo, Panamá

Vitória Cepera, Brasil

Luciana Peixoto, Argentina

O que adolescentes e jovens querem? Educação pública e gratuita como um direito

Jackeline Fuchs, Peru

Noelia Benítez, Argentina

Gabriel Silva, Argentina

María Paula Quintero, Colômbia

Mariana Toro, Colômbia

Alejandra Solano, Costa Rica

Fabrizio Matta, Perú

Felipe Urbas, Argentina

Estudantes da Bahia, Brasil

Assentamento do MST Dois Riachões

Eilyn Ríos, México

Angélica Pedraza, México

Outras ações realizadas a partir da campanha

Escola mexicana promove pintura de mural sobre

#AEducaçãoQueNecessitamos

Estudantes e uma professora de Morelia (Michoacán, México) relatam a experiência de pintar um mural em sua escola, com o objetivo de expressar idéias, emoções, sonhos e inquietudes de adolescentes e jovens, sobre seu direito à educação. Leia mais


A partir de sua experiência na iniciativa, jovem inicia campanha na Bolívia

Em entrevista à CLADE, o jovem boliviano Gabriel Villarpando explica a campanha #Mochila2.0 e comenta a importância das vozes de adolescentes e jovens no debate sobre o direito à educação. Leia mais

Dia de mobilização regional: 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança

No contexto do aniversário de 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança (CDN) da ONU, a rede CLADE celebrou, em 20 de novembro de 2019, um Dia de Ação Regional pela Educação.

Essa mobilização contou com um twittaço pelo direito à educação e o envio de mensagens e cartas aos governos, para exigir compromissos renovados com o cumprimento da CDN.

Também foi elaborado e divulgado um roteiro para a realização de círculos de diálogo com adolescentes e jovens, sobre seu direito à educação e a CDN. Com base em seu conteúdo, foram realizados diálogos sobre o direito à educação com adolescentes e jovens em El Salvador, Bolívia, Brasil, México, Panamá e Colômbia. O roteiro foi também utilizado em atividade organizada na Escola Maria Augusta Correia em São Paulo, Brasil. Além disso, foi divulgado nas redes sociais e no site da CLADE, bem como foi enviado com um convite para sua aplicação, a jovens, docentes, educadoras e educadores populares da região.

Entre as ações do Dia de Ação Regional pela Educação, também foi realizado um debate virtual sobre os desafios e propostas para a garantia do direito humano à educação e ao cuidado na primeira infância na América Latina e no Caribe.


Além disso, em parceria com a ALER, realizamos e divulgamos três entrevistas com especialistas, sobre os avanços e desafios para o cumprimento dos direitos de crianças e adolescentes na América Latina e no Caribe.

As entrevistas estão disponíveis a seguir (em espanhol).

Víctor Giorgi, Diretor-Geral do Instituto Interamericano de Crianças e Adolescentes (IIN) da Organização dos Estados Americanos (OEA):


Liliana Muñoz Guevara, professora de educação inicial e vice-reitora da Universidade Peruana Cayetano Heredia:


Mercedes Mayol Lassalle, Presidenta da Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar (OMEP):

 

Galeria de imagens

#AEducaçãoQueNecessitamos

Vídeo: Perspectivas de adolescentes e jovens

Especialistas e jovens discutem o direito à educação na América Latina e no Caribe

Vontade política, transparência, participação de adolescentes e jovens, autonomia, primeira infância e formação em direitos humanos foram alguns dos tópicos destacados durante o diálogo virtual organizado pela CLADE em 10 de março, no contexto da iniciativa #AEducaçãoQueNecessitamos.

Participaram: Luis Ernesto Pedernera, presidente do Comitê dos Direitos da Criança das Nações Unidas, e Francisco George de Lima Beserra, especialista da Relatoria sobre os Direitos da Criança da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), ao lado das/os jovens Alexander Guevara (Nicarágua), Angélica Hidalit (México), Felipe Urbas (Argentina), Gabriel Villarpando (Bolívia), Jazmin Elena (El Salvador) e Laura Victoria Kiknath (Colômbia). Camilla Croso, coordenadora geral da CLADE, moderou o diálogo.

>> Leia mais sobre o diálogo virtual


Veja a gravação do diálogo (disponível em espanhol):

Créditos

Textos: Thais Iervolino
Pesquisa: Carolina Osorio, Fabíola Munhoz, Samuel Grillo e Thais Iervolino
Mobilização e curadoria: Carolina Osorio
Edição de imagens: Thais Iervolino, com o apoio de Samuel Grillo
Edição web: Fabíola Munhoz, Thais Iervolino e Thiago Luis
Edição geral: Fabíola Munhoz
Tradução para o português: Valéria Herrera