Foto: Felipe Abreu

Adolescentes e jovens compartilham suas perspectivas sobre a educação para um mundo melhor

19 de Dezembro de 2019

Por: Carolina Osorio

Para comemorar os 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança, a CLADE, em aliança com adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe e com apoio do UNICEF, lançou a campanha #AEducaçãoQueNecessitamos para o mundo que queremos

A iniciativa #AEducaçãoQueNecessitamos para o mundo que queremos tem o objetivo de mobilizar adolescentes e jovens da América Latina e do Caribe, para que expressem qual a educação que precisam para um mundo melhor e quais são as principais demandas em seus países.

No contexto do aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC), que, entre outros direitos, estabelece o direito à educação e à participação de meninas, meninos, adolescentes e jovens,buscamos fazer com que a análise sobre os progressos e desafios em relação ao cumprimento da Convenção viessem não apenas das autoridades. Nosso objetivo era que, a partir de uma grande mobilização via redes sociais e meios de comunicação, espaços fossem criados para que adolescentes e jovens expressassem que educação necessitam para o mundo que desejam. A ideia é contribuir para que sejam vistos como sujeitos de direito, apoiando a sua participação no debate sobre o direito à educação e as políticas educativas na América Latina. Adolescentes e jovens interessados em participar, enviaram à CLADE suas contribuições em vídeos, textos, poemas, canções, desenhos, fotos e outros formatos que acharem pertinentes.

Independentemente da maneira que tenham escolhido se expressar, o objetivo da Campanha foi ouvir suas perspectivas, sonhos, expectativas, com protagonismo e voz. Sabemos que a juventude tem muito a dizer, e é dever dos Estados tomar em consideração as suas opiniões no que diz respeito às políticas que os afetam, como é o caso da educação.

>> Leia+: Jovens da América Latina e Caribe transformando a educação

Como resultado da campanha, até o momento, recebemos mais de 65 vídeos de adolescentes e jovens de diferentes países da região. Também recebemos fotos, desenhos e textos, nos quais as e os jovens e adolescentes nos apresentam suas realidades e seus maiores anseios em relação  ao direito à educação.

Apresentamos a seguir algumas das principais mensagens chaves compartilhadas nas contribuições enviadas a nossa campanha:

  • Ênfase na demanda por uma educação pública de qualidade e gratuita.
  • Dizer NÃO à criminalização do protesto estudantil.
  • Dizer NÃO à criminalização das manifestações estudantis
  • Demanda por uma educação sem limites, para que possam aprender além do básico.
  • Demanda por uma educação das visões do Sul, ou seja, de um olhar decolonizador e latino-americano.

As e os adolescentes e jovens querem uma educação laica, gratuita, inclusiva, humanística, igualitária, democrática, feminista, sem bullying, universal, ambientalista, mais humana, integral, solidária, integradora, inovadora, criadora e transformadora, renovada, sem fronteiras, que faça realizar nossos sonhos, que saia das quatro paredes do centro educativo, que ajude a promover a participação cidadã, que gere empatia, que propicie ambientes de debate, que garanta pensamento crítico, que ensine a pensar e não só a obedecer; diversa, lúdica, sem preconceitos, que desenvolva todos os nossos talentos, que conte com o investimento adequado. Exigem também uma educação feminista e transformadora, com igualdade de género e o direito à educação sexual integral.

Veja alguns dos vídeos que recebemos: 



Todos los vídeos que nos fueron enviados pueden ser vistos en nuestro Instagram.