Educar para a liberdade: CLADE lança documento sobre educação emancipadora

21 de Maio de 2019

Para compartilhar reflexões sobre alguns eixos que, do ponto de vista da CLADE, sustentam uma educação transformadora e libertadora para a América Latina e o Caribe, lançamos o documento “Educar para a liberdade: Por uma educação emancipadora que garanta direitos”.

A publicação reúne reflexões e debates acumulados pela rede CLADE sobre o tema, que abordam o direito à educação a partir de uma perspectiva integral e holística, em sua relação com: liberdade, transformação social, descolonização, democracia, igualdade de gênero, comunicação e tecnologias, artes e cultura, afetividade e cuidado, bem como os corpos e territórios.

Suas reflexões propõem caminhos para a realização de uma educação emancipadora, que contribua para formar sociedades livres de todo tipo de opressão, e também para transformar a vida de crianças, adolescentes, jovens e pessoas adultas por meio da reflexão, do diálogo, do pensamento critico, e da capacidade de questionar, discernir, imaginar e atuar por outros mundos possíveis.

Baixe o documento (em espanhol) Educar para a liberdade: Por uma educação emancipadora que garanta direitos.

“A educação deve contribuir para que as pessoas estejam em sintonia com seu tempo e espaço, conhecendo seu território, contexto, história e diversidade cultural. Nesse sentido, os espaços e processos de educação informal, não formal e formal devem estar relacionados, sendo promotores de culturas e saberes, pesquisa, educação e extensão, contribuindo para a justiça econômica, social e ambiental”, diz a publicação.

Lançamento

O documento foi lançado hoje (21 de maio) com um diálogo virtual, que teve a participação de Luna Contreras, educadora popular e diretora do Programa de Democracia e Transformação Global (PDTG) Tejiendo Saberes Perú; Martín Ferrari, educador popular argentino e um dos realizadores do documentário “A Educação em Movimento”, e María Cianci, coordenadora de Formação e Pesquisa da ALER. O diálogo foi moderado por Rosa Zúñiga, secretária geral do CEAAL.

Se não conseguiu acompanhar o evento, veja a seguir a gravação do diálogo: