Cúpula da ONU sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Realizada nos dias 24 e 25 de setembro em Nova Iorque, a Cúpula da ONU sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) reuniu líderes mundiais para discutir os desafios, experiências e avanços no cumprimento desta agenda. A CLADE participou da reunião e acompanhou de perto as discussões. Retomamos aqui alguns dos pontos destacados nos diálogos oficiais e da sociedade civil durante a Assembleia. (Foto: ONU)

Papel fundamental da educação

Foto: Fernando Martinho

No primeiro dia de sessões da Cúpula da ONU sobre os ODS, autoridades, delegações dos Estados Membros e a sociedade civil enfatizaram que a realização do direito humano à educação é essencial como um elemento-chave para alcançar os ODS.

“131 milhões de meninas que ainda estão fora da escola no mundo; 27 milhões de crianças não têm acesso à educação em países afetados por conflitos. No Reino Unido, estamos comprometidos a garantir 12 anos de educação obrigatória de qualidade para todas as crianças. Além disso, anunciamos a doação de 515 milhões de libras para apoiar a educação no mundo”, afirmou o representante do Reino Unido.

Nesta sessão, também se destacou a persistência de desafios importantes que impedem o progresso conforme necessário, especialmente nas áreas: financiamento; garantia dos direitos das pessoas historicamente discriminadas; intercâmbio de aprendizados entre governos e a sociedade civil, envolvendo especialmente jovens, mulheres e o setor privado; e a garantia de instituições inclusivas e transparentes, responsáveis perante as cidadãs e os cidadãos, em todos os níveis.


Leia+ Cúpula da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável: Se destacou o papel chave da educação

Experiências e desafios para o desenvolvimento sustentável

Foto: USDA

No segundo dia dos debates da Cúpula, foram identificados obstáculos financeiros e culturais para harmonizar o crescimento econômico com a perspectiva de direitos humanos, inclusão e cuidado com a natureza.

Em seu discurso inicial, a primeira-ministra da Islândia, Katrín Jakobsdóttir, encarregada de moderar a primeira parte da sessão, disse que, para avançar no cumprimento dos ODS, é necessário estimular a economia para o desenvolvimento sustentável desde o sistema tributário, promover fontes de energia e meios de transporte de energia limpos e garantir formas de medir a igualdade de gênero, inclusive em termos de inserção nos orçamentos públicos. “Precisamos começar a analisar a execução orçamentária além das porcentagens do Produto Interno Bruto (PIB)”, afirmou.

Em seu discurso, Vera Songwe, Secretária Executiva da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África, apontou como pontos-chave para alcançar os ODS: a interdependência dos Objetivos; a mobilização de recursos domésticos com base em mecanismos que eliminam fluxos financeiros ilícitos e promovem a justiça tributária; a participação das e dos jovens e a superação das desigualdades de gênero.

Entre os desafios, destacou-se a necessidade de: criar planos de mitigação e adaptação às mudanças climáticas; melhorar a produção e o treinamento de dados para monitorar os ODS; aumentar o financiamento dos objetivos, bem como a eficiência e a transparência dos processos de governança; promover compromissos individuais e coletivos para o desenvolvimento sustentável e processos de conscientização e informação do público sobre a relevância da agenda dos ODS; maior articulação com ciência e tecnologia para propor formas e soluções inovadoras; fortalecer alianças em todos os níveis, bem como o papel das agências multilaterais; fortalecer políticas integradas que levem em consideração a participação cidadã, especialmente jovens e mulheres, em seu desenvolvimento e monitoramento; apoio urgente aos países menores e insulares, que são os mais afetados e vulneráveis a desastres climáticos.

Gravação da sessão na ONU:


Leia+ Cúpula da ONU: Estados discutem experiências e desafios para o desenvolvimento sustentável

Fórum da Sociedade Civil sobre os ODS

O Fórum da Sociedade Civil sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ocorreu em 24 de setembro, no âmbito da Cúpula das Nações Unidas sobre os ODS.

Organizado pelo mecanismo de coordenação dos Grandes Grupos e Partes Interessadas – espaços de participação da sociedade civil nas Nações Unidas -, o Fórum foi uma oportunidade de diálogo entre a sociedade civil e os Estados Membros, bem como organizações internacionais e outras pessoas interessadas, sobre as possíveis respostas aos desafios que surgem para a implementação dos ODS em seu quarto ano de vigência.


Leia+ Fortalecer a participação social para alcançar o desenvolvimento sustentável

As e os participantes do debate discutiram, entre outras questões, a necessidade de: uma maior aliança dos governos com a sociedade civil e outras partes interessadas nos Fóruns da ONU; caminhos para medir avanços que vão além do Produto Interno Bruto (PIB) e dos números e que, de fato, avaliam a melhoria da vida das pessoas; sistemas tributários progressivos; acordos legais vinculativos sobre corporações e direitos humanos; incluir e apoiar a participação dos povos indígenas na implementação dos ODS; superar o problema da violência enfrentada pelos jovens e garantir aos jovens o direito à educação; levar em conta a relevância do trabalho voluntário e a inclusão dos jovens nos fóruns e debates da sociedade civil. Também apontaram a importância de garantir a inclusão e combater a discriminação.

Jovem argentino representa a CLADE na ONU

Felipe durante sua intervenção na ONU

“O que estou exigindo é que eles se comprometam a acabar com essa correlação de força entre experiência e conhecimento para sentar e conversar. Só então teremos um mundo melhor”, disse o jovem argentino Felipe Urbas, durante seu discurso no Fórum da Sociedade Civil sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), realizado em Nova Iorque em 24 de setembro, no âmbito da Cúpula das Nações Unidas sobre os ODS.

Como membro da Campanha Argentina pelo Direito à Educação (CADE), representou a Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (CLADE) na Cúpula das Nações Unidas. Durante seu discurso no Fórum da Sociedade Civil, representando o Grupo das Nações Unidas para Crianças, Adolescentes e Jovens, ele chamou a atenção para a importância da representatividade das e dos jovens na tomada de decisões em educação e desenvolvimento sustentável.

“Espero que jovens estejam presentes, especialmente quando se fala em soluções e em como avançar. (…) A juventude é um dos grupos mais importantes porque somos nós que não apenas vamos viver, mas vamos sofrer com a incapacidade dos governos em termos de alcançar metas de desenvolvimento sustentável”, afirmou.

Gravação do encontro:


Leia+ Jovem argentino representa a CLADE no Fórum da Sociedade Civil da ONU

As crianças tomam a palavra

“Gostaria de lembrá-los de que é essencial realizar os direitos reconhecidos pela Convenção sobre os Direitos da Criança. Se eles assinaram a Convenção, e mesmo se não o fizeram, devem tratar as crianças da maneira que gostariam de ser tratados.”

Amaya Pilla Masaquiza, garota equatoriana da comunidade Kichwa Salasaca, durante os 30 anos de celebração da Convenção sobre os Direitos da Criança (CRC), no âmbito da Cúpula da ONU.

Evento paralelo discutiu o papel da educação pública na superação da desigualdade social

Foto: Arquivo CLADE

Para analisar o papel da educação como promotora da lei de igualdade e emancipação, a OXFAM realizou o evento “Educação como o grande equalizador” em Nova Iorque.

A reunião ocorreu em 24 de setembro, paralelamente à Cúpula sobre os ODS.

Nesse debate, apontou-se que a educação tem potencial para transformar as sociedades e contribuir para a superação das desigualdades, mas é necessário que os governos invistam recursos adequados e ajam para garantir o direito à educação gratuita e acessível , público, inclusivo e de boa qualidade.

Madeleine Zúñiga, coordenadora da Campanha Peruana pelo Direito à Educação e vice-presidenta da Campanha Mundial pela Educação (CME), participou da mesa de diálogo do evento, com o tema “Privatização da educação: um fator de desigualdade” .

Em sua participação, ela abordou os obstáculos à realização do direito humano à educação no Peru, relacionados à privatização e ao lucro na educação. Afirmou que a privatização, mais presente nas escolas primárias, também está avançando cada vez mais no ensino universitário no país.


Leia+ Evento paralelo à Cúpula da ONU discutiu o papel da educação pública para superar a desigualdade social

Dívida em vez de ajuda?

Durante a Cúpula das Nações Unidas sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), realizada em 24 e 25 de setembro em Nova Iorque, a Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (CLADE) e a Campanha Mundial pela Educação (CME) se manifestaram publicamente para pressionar governos e autoridades a adotarem medidas sustentáveis para financiar e alcançar as metas ambiciosas estabelecidas nos ODS, especialmente aumentando os recursos públicos nacionais investidos em educação.

Esse posicionamento foi anunciado como uma resposta à adoção do Serviço Financeiro Internacional para Educação (IFFEd, por seu acrônimo em inglês). Este instrumento de financiamento educacional foi apresentado como um “mecanismo inovador” durante um evento realizado em 25 de setembro, paralelamente à Cúpula da ONU sobre os ODS. Segundo a CLADE e a CME, o IFFEd depende de mecanismos de dívida pública e coloca em risco os Estados mais frágeis.

“Convocamos a comunidade educacional global e os líderes mundiais a priorizar as iniciativas de financiamento da educação focadas na justiça fiscal nos níveis nacional e global, o fim da sonegação de impostos, uma cooperação internacional que promove os direitos humanos e maior financiamento da educação pelos orçamentos dos países. Também defendemos que os recursos existentes sejam dedicados a políticas públicas que garantam direitos humanos e enfrentem as crescentes desigualdades entre nações e pessoas. Os mecanismos de financiamento centralizados na dívida são insustentáveis e eles favorecem a distribuição desigual de poder e recursos”, afirma a coordenadora geral do CLADE, Camilla Croso.


Leia+ Dívida em vez de ajuda? CLADE e CME se opõem ao serviço financeiro internacional para educação

“Convocamos a comunidade educacional global e os líderes mundiais a priorizar as iniciativas de financiamento da educação focadas na justiça fiscal nos níveis nacional e global, o fim da sonegação de impostos, uma cooperação internacional que promove os direitos humanos e maior financiamento da educação pelos orçamentos dos países”

De acordo com a posição divulgada pela CME e apoiada pela CLADE, a crescente crise da dívida dos Estados representa uma das principais ameaças ao financiamento da educação. Mesmo a dívida multilateral de juros baixos poderia contribuir para ampliar a crise da dívida, além de não favorecer a sustentabilidade dos países. “O uso de empréstimos para financiar a educação pode ter sérias conseqüências”, diz o posicionamento.

Como o Presidente do CME Refat Sabbah apontou, na nota pública, “as soluções sistêmicas de longo prazo devem ser as que promovem a comunidade internacional. A Agenda de Educação para 2030 deve ser o ideal a ser alcançado de maneira sustentável e deve nos incentivar a advogar por um maior investimento nacional em educação. ”

Iniciativa para repensar os modelos educacionais

Foto: UdeA

Em 25 de setembro, no âmbito da Cúpula dos ODS, a UNESCO lançou o projeto Os Futuros da Educação. A iniciativa visa repensar o futuro da educação, conhecimento e aprendizado, em um mundo de crescente complexidade, incerteza e precariedade.

Em um documento apresentado pela UNESCO sobre o projeto, são destacadas hoje as razões pelas quais uma revisão profunda do futuro da educação e como a UNESCO pretende liderar esse processo de reflexão, destaca a construção de debates e propostas.

Este é um projeto ambicioso, que visa refletir e gerar diálogos sobre como a educação deve ser repensada para enfrentar os desafios do mundo de hoje. Nesse quadro, serão promovidos debates sobre: educação e sustentabilidade; o futuro do conhecimento e da aprendizagem; ensino e os desafios da profissão; o futuro do trabalho e as novas habilidades e competências necessárias; cidadania, inclusão social e democracia; ensino superior, pesquisa e inovação; sistemas de educação pública e o papel dos estados em sua garantia e financiamento.

Para Vernor Muñoz, diretor de Políticas e Incidência da Campanha Mundial pela Educação e ex-relator especial sobre o Direito à Educação das Nações Unidas, que participou da sessão de lançamento, é importante que este projeto esteja em sintonia com a Agenda de Desenvolvimento 2030 e suas preocupações e propósitos em relação ao enfrentamento das mudanças climáticas, cuidar do meio ambiente e alcançar justiça e igualdade.

“É uma iniciativa muito importante, do ponto de vista substantivo de todos esses conteúdos, e também para abordar a educação a partir de uma reflexão das políticas públicas. Esperamos que você possa relatar mudanças no conteúdo da educação, que devem ser alcançadas para que as necessidades da época possam ser atendidas ”, afirmou Muñoz.


Leia+ UNESCO lança iniciativa para repensar os modelos educacionais

Greta Thumberg: "O mundo está acordando e a mudança está chegando, gostem ou não! "

Discurso de Greta Thumberg, estudante e ativista sueca, dirigida a líderes mundiais reunidos na Assembléia Geral da ONU:

Greta Thumberg a líderes mundiales

"Sólo hablan de dinero… ¿cómo se atreven?" 🗯Emocionada y con molestia. Así se vio a Greta Thunberg, la conocida activista sueca de 16 años, durante su participación en el inicio de la Cumbre de Acción Climática de la ONU. Su mensaje a los líderes mundiales fue contundente.

Posted by T13 on Monday, September 23, 2019


Leia também:

Bruno Rodríguez: o jovem argentino que encantou a ONU ao falar sobre mudança climática

Destaque para o papel da educação e das meninas no desenvolvimento sustentável

Os desafios do campo educacional e da igualdade de gênero em um contexto político e econômico predatório e patriarcal foram alguns dos pontos enfatizados nos diálogos e apresentações que ocorreram no evento “Meninas em ação climática: soluções sustentáveis para enfrentar as mudanças climáticas”. A reunião foi realizada pela Plan Internacional em 24 de setembro, paralelamente à 74ª sessão da Assembléia Geral da ONU, em Nova Iorque.

No evento se apontou que, embora o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 4, referente à educação, seja reconhecido como uma chave para fazer cumprir todos os ODS, é necessário que outros campos sociais e direitos humanos em geral também avançar, para que a transformação desejada possa ser alcançada. “Se destacou no debate que, para avançarmos, é necessário que todo o sistema político, econômico e institucional adote os Direitos Humanos como um modo de vida”, disse Vernor Muñoz, que participou da reunião.


Leia+ O papel da educação e das meninas para o desenvolvimento sustentável

Articulação entre o nível global e o local

Jovens brasileiros participaram da Assembleia da ONU

Foto: Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Os jovens Edgleison Vieira Rodrigues e Gabriel de Carvalho Morais, representantes do Brasil na Plataforma 100 Milhões, participaram da Assembleia Geral da ONU.

Eles foram convidados a integrar uma delegação de jovens que participaram de vários eventos relacionados à implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e à garantia de direitos humanos e proteção social de crianças, adolescentes e jovens.

Os jovens fizeram uma intervenção durante o evento oficial dos 100 milhões, realizado em 23 de setembro, com o tema “Quando todas as crianças terão justiça?” e a participação do Prêmio Nobel da Paz Kailash Satyarthi.

Na ocasião, falaram sobre as crescentes ameaças aos direitos humanos de crianças, adolescentes e jovens no Brasil e a garantia do direito a uma educação pública gratuita e de qualidade para todos como a melhor solução para o país.


República Dominicana: População se mobiliza pelos ODS

Fotos: FSE

Jovens, ambientalistas e várias organizações da sociedade civil na República Dominicana, incluindo o Foro Socioeducativo, se reuniram para discutir o contexto do país e apresentar o manifesto Vozes Cidadãs pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A atividade foi realizada em 27 de setembro, como parte da Semana de Ação Global pelos ODS. O objetivo do manifesto é divulgar a perspectiva das organizações da sociedade civil, em relação às questões sociais atuais, aos desafios para garantir os direitos à igualdade, à paz e à justiça ambiental, bem como como a promoção do desenvolvimento sustentável.

O documento destaca que um dos avanços observados no país se refere à meta de erradicar a pobreza, que foi reduzida de 40% para cerca de 20%. Por outro lado, as organizações que assinaram o posicionamento exortam os governos a abordar as múltiplas dimensões da desigualdade, paz, justiça e proteção ambiental, garantindo inclusão para que a promessa de não deixar ninguém para trás, presente nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.


Brasil e África do Sul: marcha contra as mudanças climáticas

#FridaysForFuture: Em 20 de setembro, os secretariados da CLADE e da CME se uniram às manifestações internacionais para defender o meio ambiente e exigir medidas governamentais contra as mudanças climáticas. Os protestos e as atividades continuam até 27 de setembro em mais de 150 países ao redor do mundo.

Veja as fotos dos protestos em São Paulo (Brasil) e Joanesburgo (África do Sul):

 

 


Equador: Crise climática, que alternativas temos?

No âmbito da greve internacional do clima, realizada de 20 a 27 de setembro, a Fe y Alegría Ecuador se uniu aos protestos pelo cuidado e proteção do planeta e convidou a sociedade civil a discutir as causas, consequências e soluções para a atual emergência climática.

Em 26 de setembro, foi realizada a conversa virtual: “Crise climática, que alternativas temos?” O diálogo enfatizou problemas que alarmam a população mundial, como o reconhecimento de que os últimos cinco anos foram os mais quentes da história, que os ecossistemas com maior biodiversidade do mundo, como a Amazônia, estão sendo destruídos ou que líderes ambientais estão sendo mortas/os pela causa que eles defendem.

O atual modelo de desenvolvimento também foi questionado como causa desses fenômenos e, nesse contexto, assim como as pessoas e entidades que estão se beneficiando em termos econômicos dessa catástrofe. Além disso, a esfera educacional foi discutida como uma área privilegiada para conseguir mudanças através da conscientização e da necessidade de desenvolver capacidades nas pessoas para influenciar politicamente.

Diálogo de saberes 2.0 con el tema: Crisis climática ¿qué alternativas tenemos?

[TRANSMISIÓN EN VIVO]Diálogo de saberes 2.0 con el tema: Crisis climática ¿qué alternativas tenemos?En #FeyAlegria, ponemos el corazón por el planeta, #NoAceptamosLoInaceptable, y cuidamos la #CasaComun #panamazonia, #FridayforFuture.

Posted by Fe y Alegría – Ecuador on Thursday, September 26, 2019

 


Leia+

Documentos para aprofundar o tema

Relatório das Nações Unidas: ODS 2019

O documento verifica em que medida as ações tomadas estão estabelecendo a base adequada para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Suas descobertas mostram que houve progresso: a pobreza extrema diminuiu consideravelmente e a taxa de mortalidade de meninas e meninos com menos de 5 anos diminuiu 49% em 17 anos. No entanto, o ambiente natural está se deteriorando a um ritmo alarmante e a fome e a desigualdade no mundo persistem.

“Os contratempos para a equidade de gênero e as desigualdades que persistem são um ponto de preocupação que mina o escopo dos ODS. A pobreza, as disparidades de gênero, a instabilidade e o desemprego, gerados pelo atual modelo de globalização, apresentam riscos diferentes”, afirma o secretário-geral da ONU, António Guterres.

>> Relatório sobre os ODS 2019

Relatório do secretário geral da ONU

O relatório divulgado este ano pelo Secretário Geral da ONU, António Guterres, sobre o status de cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, apresenta importantes avanços, como a incorporação dos ODS nos planos e políticas de diferentes países e a preparação e apresentação de relatórios nacionais voluntários pelos Estados.

Por outro lado, desafios importantes são destacados em várias questões, incluindo: financiamento; garantia dos direitos das pessoas historicamente discriminadas; a realização do direito humano à educação como elemento essencial para alcançar os ODS; o intercâmbio de aprendizado entre governos e sociedade civil, envolvendo especialmente jovens, mulheres e o setor privado; e a garantia de instituições inclusivas e transparentes que prestem contas aos cidadãos.

>> Relatório do secretário completo

Declaração política adotada ao final da Cúpula

Com o título “Rumo a uma década de ação e resultados em prol do desenvolvimento sustentável”, o documento resulta de reflexões, debates, experiências bem-sucedidas, lições aprendidas e desafios compartilhados pelos Estados membros da ONU nos dois dias da Cúpula, e também no âmbito do Fórum Político de Alto Nível sobre Desenvolvimento Sustentável, realizado em julho deste ano na sede das Nações Unidas.

Entre as resoluções oficiais expressas na declaração, o compromisso de “realizar nossa visão de um mundo com acesso a educação inclusiva e equitativa de qualidade, cobertura universal de saúde e assistência médica de qualidade, segurança alimentar e a melhoria da nutrição, água potável e saneamento, um fornecimento de energia acessível, confiável e sustentável e uma infraestrutura de qualidade e resiliência para todos”.

>> Declaração política adotada pelos Estados

Créditos

Textos: Fabíola Munhoz, Samuel Grillo e Thais Iervolino
Edição geral: Fabíola Munhoz
Imagens e informações: Felipe Urbas, Vernor Muñoz e Madeleine Zúñiga
Edição web : Thais Iervolino
Tradução para o português: Samuel Grillo